sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

-Meu Paraíso.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos viajantes perdidos do majestoso mundo virtual.
Aqui vos fala aquela que não se importa mais com nada, pois nada lhe resta...

O vazio no peito sufoca minha respiração
As lágrimas escorrem pelos meus lábios
Minha pela transpira dor e falta
Falta uma parte de mim em todos os lugares

Destino traiçoeiro que gosta de brincar
Jogar para longe as poucas chances de felicidade
Deixar aqui somente a solidão e o nada
Onde cada movimento fere cada vez mais

Minha vida não tem mais sentido
Nada mais parece certo
A única vontade existente é a de fugir
De deixar tudo para tras e libertar-me

Tua voz ainda ressoa em meus ouvidos
Teu calor ainda cobre meus braços
Teu beijo ainda pulsa em minha boca
Tua falta escorre por entre meus olhos

Posso nunca mais respirar
Nenhum batimento existir
Nenhum sangue pulsar
E ainda assim serei sua

Pois uma alma só repousa em paz
Quando cumpre seu destino
Quando encontra seu paraíso
E meu paraíso é você

Câmbio Desligo.


sábado, 24 de dezembro de 2011

-Nada mais importa.


Alô; Câmbio. Câmbio.

Seja quem for, não importa mais...

Estou esgotada
Tudo caminha para a masmorra
Tudo se acaba
Tudo definha

Eu vejo a chama queimando
As falsas promessas, os medos
As boas e as más intenções
Eu vejo o fogo queimando minha alma

Falta o ar, sobra o medo
Falta vontade e sobra tempo
A vontade de viver se esvai
A  felicidade se esgota

Nada mais importa
Quem for, quem seja ou quem vai ser
Porque nada será
Nada resistirá 

Vejo o fogo queimando minha mente
Vejo a paz escorrer pelas mãos
As cinzas voam com o vento
A compaixão nunca existiu

A ponta do lápis quebra,
O papel acaba,
As palavras somem
A criatividade deixa de existir

A vontade é de sumir
A realidade é resistir
O futuro é lutar
E o querer já não adianta mais...

Câmbio Desligo.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

-Sobreviver é preciso.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos viajantes assíduos ou não.
Aqui vos fala novamente aquela que não se importa com o que os outros pensam.

É simples assim
A morte, a mudança e a solidão
Tudo parece tão real
A noite, embaixo do cobertor

Seu rosto surge novamente
As aventuras vividas, a saudade
Para me lembrar mais uma vez
Que a mim não resta nada

Nem as lembranças existem mais
Elas machucam como punhais afiados
E as joguei pela estrada da vida
Como não mais serviam para nada

Mas seus olhos me perseguem no sonho
Seu sorriso e sua alma fazendo parte de mim
Mas é a mentira da solidão
O oásis do deserto da vida

Sou sempre eu quem fica para trás
Sempre meus sonhos que são inalcançáveis
Sempre minha vida que termina
Sempre eu quem cai na calçada...

E assim sobrevivo dia a dia
Na morte e na merda
Caçando os insetos interiores
Que me fazem sobreviver.

Câmbio Desligo.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

-Ressaca.


Alê. Câmbio. Câmbio.

Benvindos viajantes assíduos ou não.
Aqui vos fala novamente aquela que não se importa com nada além do necessário...

Acabo de acordar,
São 5 da manhã
Não consigo me lembrar
Nem onde esta meu sutiã
Minha cabeça prestes a explodir
E eu aqui largada no sofá
O gosto amargo na boca
De quem pra bebida se rendeu
E a falta de lembranças de um segundo do que aconteceu
O Sol da manhã me dá bom dia
E a ressaca um soco no estomago
O mundo real que eu fugi na noite anterior
Me pegou de novo

Ser inconsequente nunca foi o meu forte
Mas sempre podemos inovar
Buscar novas sensações
E sempre se entregar
Dizer à vida que estou pronta
Já não é mais questão de blefe
Encarar ela de frente é meu destino
E viver é consequência esperada
Buscar o novo, sair do comodismo.
E viver o que eu quiser
Onde, como e quando puder.

A ressaca do corpo e da mente
Sufoca meus instintos mais carnais
A fome e a sede de tudo
A vontade de te passar para trás
Esquecer tudo o que já vivi e passei
Para conseguir finalmente superar
Esquecer as magoas e dores que passei
E a cada vez que vejo seu rosto
E a cada vez que ouço seu nome
Quero que morra, que suma da minha vida.
E que exista somente em meu passado

A estrada da vida brilha sob meus pés
Minha fé se abre em um sorriso
Vou seguindo meus instintos
Buscando sempre o meu lugar
Onde tudo possa finalmente ter sentido
E meus sonhos consiga conquistar

A liberdade é meu caminho
Regado de flores e espinhos
Não me importo em me arranhar
Se eu consiga um dia me livrar da culpa, do medo e da fraqueza.
Que adquiri ao te querer
E mostrar ao mundo que cresci
Que não sou sua fantoche
E definitivamente te esquecer.

Câmbio Desligo.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

-Vontades.


Benvindos visitantes assíduos ou não. Aqui vos fala novamente aquela que não importa com a existência impossível das coisas imensas e nem com a complexidade do inexplicável.

Aquela vontade de gritar
Escondida por trás da lágrima silenciosa
que escorre do canto da alma
e molha o coração...

Aquela vontade de correr sem destino
Sentir o vento no rosto e nos cabelos
Ver o Sol brilhando no horizonte sobre o mar
Deixar a onda te levar...

Aquela vontade de sumir
Deixar que todos esqueçam que existi
Que apague as lembranças boas e ruins
E não deixe rastros para trás...

Aquela vontade de desistir
Parar de lutar e apanhar da vida
Sentar na calçada e assistir aos outros
Deixar apenas a vida acontecer...

Aquela vontade de continuar
Só para mostrar que tudo teve um sentido
Que as coisas simples são únicas 
Que alguém me amou de verdade...

Aquela vontade de viver
Só pra mostrar para vida e para todos
que finalmente eu consegui
E que pra sempre eu existirei na memória de alguém...

Câmbio Desligo.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

-Fênix.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não. Aqui vos fala novamente aquela que não se importa com o que é ou deixa de ser...

Não importa o que o mundo pense
Não importa se acham que vou desistir
Vou juntar todas as forças que tenho
Irei lutar enquanto eu existir

Não quero que me entendam
Que vejam o quão destruída estou
Quando tudo parecer o fim
Só quero mostrar quem realmente sou

Eu não vou rodar por ai
Sem me divertir
Depois de tanto caminhar,
Depois de quase desistir

Eu não vou perder meu tempo com você
Depois de tanto sofrer, 
Depois de sozinha viver
E sobreviver ao caos da minha mente

Não me importam os perigos
Os medos e as falhas
Curtir a vida me basta
Levar os limites além

Saber que vivi tudo
Sorri, chorei, sofri e amei
Correr atrás do destino
E no fim, renascer!

Câmbio Desligo.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

-Nunca deixe de lutar.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não.
Aqui vos fala novamente aquela que não se importa com o tudo e vive pelo nada.

As palavras mais grosseiras
Os sentimentos mais inóspitos
As vontades mais profanas
O desejo de renascer

Das cinzas transformar,
Buscar a novidade que vem pelo ar,
Transpor a dor e o sofrimento
Fazer da vida algo melhor

Colher os frutos frondosos
Que nascem por entre os espinhos da solidão
Não deixar que os mais próximos
Se aproveitem de suas fraquezas

Muitas vezes a pessoa que você mais admira
É a primeira a te jogar no chão
O pior inimigo
Pode ser a luz por entre a escuridão

Não deixe a vida te surpreender
Não deixe o mundo te abandonar
Não deixe a multidão te repreender
Não deixe nunca de lutar!

Câmbio Desligo.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Já não há libertação

Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não. Aqui vos fala novamente aquela que não se importa com o ser e só com o estar.
Poesia de hoje é meio velhinha, mas é minha favorita.

Não quero mais saber do lirismo
Cansei-me das lamurias românticas
Não quero ufanismo plastificado em lâminas
Esqueça do abismo final e dos heróicos navegadores
Descrições absurdas de coisas sem nexos
Tupi or not Tupi, Ser ou não Ser.
Tudo balela de pessoas enganadas
E porque não dizer que sou enganada também?
Já acreditei que tudo era perfeito
Que todos eram felizes
Mas não precisei de espelhos para ver,
Não precisei nem de óculos para isso
O mundo é doente, nojento e pegajoso.

Pra quê lirismo em um mundo fingido?
Pra quê romantismo se não há sentimentos?
Pra quê ufanismo se não há mais nação?
Medo de morrer?
Será que essa não é a única solução?
Como pensar em solução se tudo é problema,
Dificuldades são rotinas que nos acostumamos a viver
Libertação é forjada para enganar os revoltos.

Revoltos pelo quê?
Não se tem causa pra revolução
Se revoltar pelo que você aceita como vida
É se revoltar pela sua vida,
Por você, por sua alma...
Fácil se rebelar, Difícil buscar mudanças.
Nos acostumamos com o que incomoda
Ou melhor, nem nos incomodamos mais.
Contabilizar erros não vale a pena
Tem-se é que parar de errar
Mas o lirismo não é mais libertação
Os clowns já não são mais engraçados
As Helenas já não são mais românticas...

E nós somos o quê?
Formas mal feitas da imagem de alguém
Ou cópias de alguém desenformado?
O cálice já não é mais de vinho,
O vinho já não é mais de uva,
A uva já não é mais natural
E o natural já não existe.
É natural ser cópia, ser forjado, ser igual.
Uma simples diferença condena.
Uma simples igualdade santifica...

Onde se escondem os heróis Alexandrinos?
Por onde fugiram os românticos?
Onde se encontram os nacionalistas?
No que se transformou a nação?

Câmbio Desligo.

sábado, 24 de setembro de 2011

-Não agora.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes perdidos pela mundo virtual.
Aqui vos fala novamente aquela que não importa com o que é além do ser e estar, apenas.

A vida abre caminhos,
impede passagens e travessias.
Luta contra a correnteza e habilita
a força de seguir em frente de cada um

Um sonho é mais que um sonho,
Uma vida é mais que uma vida,
Uma palavra é muito além
Um sentimento é a respiração da alma.

A constatação do erro,
Do fim, da certeza e da verdade.
Se descobrir perante o mundo e se acostumar
Dores, perdas, vitórias e conquistas.

Seria de mais pedir uma trégua?
Um momento, uma chance...
Só preciso de um abraço apertado
E um sorriso doce

O que mais dói é o vazio
É a falta que faz a certeza
O medo de nadar contra a correnteza
A libertação e compreensão da vida

Me falta o brilho nos olhos,
A boca seca de ansiedade
O frio na barriga
e o beijo ao fim da corrida

A luta continua
A vida não desiste
Eu te encontrei, mas não era para ser agora
Não é para ser nunca mais...

Câmbio desligo.

domingo, 11 de setembro de 2011

Permita-se viver


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não!
Aqui vos fala aquela que não importa com o que é ou com o que o mundo quer que ela seja.

Os sentimentos mais intensos,
As dores mais profundas,
As maiores alegrias
E as depressões mais sombrias.

Cada gota de suor vale a pena
Cada problema vencido
Cada vida vivida
Cada passado, presente e futuro

O destino é mais que os ponteiros dos relógios
é mais do que as vontades presas na mente
Mais do que tudo que somos ou pensamos ser
Mais do que nós mesmos.

O senhor do tempo não existe
O fantasma de Scrooge são reais
E ninguém vai te ajudar a superar.
Ninguém virá avisar na véspera de Natal

As escolhas são suas,
O destino já veio traçado
Cada via, cada trecho, cada caminho
São seus pés e coração que guiam

Viva no limite da razão e da loucura
Curta as intensidades universais
Não se esqueça dos porres, das provas,
Das maldades e bondades que já fez

Tudo tem seu curso e seu caminho
Encontre-se. Recrie-se. Reviva!
Viva para o mundo e acorde!
Viva para o novo e renove-se!

Nada é tão simples que se torne obsoleto
E nada é tão difícil que se torne impossível
A vida é mais bonita pra quem vive
Pra quem se dá a chance de viver

Não se perca no esquecimento,
Não deixe as trevas selarem seus olhos
Até a maior desgraça pode ser linda
se a olhar com pureza e afinidade.

A maldade da vida se encontra
Dentro dos corações da humanidade
Nos becos e esgotos dos corações perdidos.
PERMITA-SE!

terça-feira, 6 de setembro de 2011

-Da alma a calma.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou recentes.
Aqui vos fala mais uma vez aquela que não se importa com o ser e o estar.

Aquele gosto amargo na boca
A dor massacrando meus músculos.
O sabor da solidão.
O calor e afago agradável da febre.

Os sentidos me enlouquecem a cada toque,
A cada brisa e a cada valor.
Tudo gira em minha mente.
Tudo voa pela janela.

Quando a ficha cai é quando a dor bate,
Quando o medo surge a porta 
E quando a paixão se esvai ou renova
É tudo e nada ao mesmo tempo.

Viver no limite dos desejos,
Na busca eterna pela união
Boas lembranças pelo caminho
E a maldição a suas costas.

Caminhar com firmeza, 
Mesmo sem saber qual o destino.
Encarar o Sol de frente
Viver até os desatinos.

A novela da vida roda sem sessar.
Sem pausas ou hiatos.
Sem mocinhos e bandidos.
Sem lutar ou esperar.

Corre, grita, pula, chora...
Saboreia a todos os gostos da existência.
Pois só assim serás feliz.
Só assim saberá amar, vencer, perder e viver!

Câmbio Desligo.

sábado, 27 de agosto de 2011

-A arte de continuar.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não.

Depois de um grande hiato não merecido, decidi voltar a produzir.
As mudanças foram grandes nesse tempo e a mente estava necessitando se expressar.

Palavras doem mais que cortes
Cortes profundos e que doem cada vez mais
Mais dor, mais ódio e mais problemas.
A vida já não é mais como era antes.

As coisas mudam tão rapidamente
Sem sentido e sem um rumo certo
Apenas acontecem e não param
E você corre e busca se adequar.

Todos querem ser alguém,
Todos querem continuar e lutar
Viver além das expectativas
Sem jamais se deixar levar

Correr atrás não é uma opção
É o motivo e a razão de buscar
Viver sobre os limites da vida
Mostrar que tem forças para se motivar

Busque além da vida,
Além de tudo e além das forças.
Siga em frente e mude.
Seja algo que valha a pena alguém amar.


Câmbio Desligo.

sábado, 23 de julho de 2011

-Desculpas.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não.
Aqui vos fala novamente aquela que não se importa com o além e nem o quem.

Os olhares marejados,
Os sonhos, os medos,
As vontades escorrendo pela pele
As tristezas escorrendo pelos olhos.

Querer a presença do inatingível.
Sonhar com as vontade inexistentes
Brincar com as coisas invisíveis
E seguir em frente

As almas escolhidas pelos dedos
Os sonhos escondidos por segredos
O tudo e o nada, obscuros no dia
Noite ou madrugada da estadia

Sentir saudades do que nunca se teve
Viver sonhos e mentiras
Sorrir pedaços de sentimentos que não existem
Viver conforme a sociedade ensina

Desculpe pelo amor que senti.
Desculpe pela vontade que tive
Desculpe pelo medo que não enfrentei
Desculpe por simplesmente existir

Mais vou além das vontades
Vou além dos medos e problemas.
Vou além da vida
Vou além do ser.

O fim não me assusta
Os obstáculos não me impedem
A força não me falta
E a alma é o que me fará vencer.

Câmbio Desligo.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

-No vazio do espelho.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos viajantes assíduos e errantes da internet.
Aqui vos fala mais uma vez o ser sem importância da mudança do tudo.

Não sou o sopro de alma que te faz pulsar
Não sou a sobra do prato do almoço.
Não sou a sombra no caminho do deserto.
Não sou o reflexo que vejo no espelho.

Mudei-me. Sem nem dar conta.
Vivi meus pesadelos e sonhos num piscar de olhos
Adormeci, caída na calçada.
Coloquei pra fora todos os medos que um dia senti.

Cresci no tempo, mudei no vento
Cerquei os sonhos, soltei as trevas
Vivi as alegrias, isolei as tristezas
Busquei o amor nas tuas palavras

Acordei para o mundo
Vi no reflexo profundo
O nada que habita minha alma
E o brilho no fim da escuridão

Decidi viver além da mesmice
Além das mudanças, das palavras
Dos gestos e trejeitos
Resolvi apenas existir...

Câmbio Desligo.

sábado, 2 de julho de 2011

-Aconteceu.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não!
Aqui estou de volta!

Seguir os sonhos, buscar as vontades
Ter ao seu lado pessoas que se importam
Que valem a pena,
Para sempre com você

Lutar contra o mundo
Viver no absurdo
E mesmo assim, seguir em frente,
Nunca desistir ou parar!

Viver é lindo, é único e eterno
Pois a vida só acontece uma vez
As chances não se repetem
As vontades um dia cessam

O sorriso verdadeiro
A distancia da vontade
O cheiro, o gosto, o toque
Guardados na memória

Só assim a saudade diminui
A vontade se salienta
A verdade se mostra 
E o mundo acontece!

Câmbio Desligo.


domingo, 12 de junho de 2011

-Além.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não.
Aqui vos fala novamente aquela que não se importa com quem é ou deixa de ser.

Levantar, seguir em frente.
Juntar os cacos pelo chão
Retomar a força escondida nos poros
Andar sem medo da escuridão.

Cabeça erguida, mente sã
O sorriso nos lábios
A certeza do nada
E a vontade de conquistar o mundo.

Quero ser mais do que sou
Quero saber mais do que sei
Quero ir além de onde fui
Quero ser inesquecível para alguém.

Me guio pelo vento, pelas estrelas
Pelo chão inexplorado, pela trilha mais sedenta
A vontade de viver ressurgindo da escuridão 
E o medo escorrendo por entre os dedos.

Nada mais me fará parar
Nada mais me controla além de mim
Quero tudo, quero o mundo
Quero tudo o que há além do fim.

Câmbio Desligo.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

-Personagens.



Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes não tão assíduos graças a minha falta de atualização!
Tive um momento de breve hiato de inspiração, além do blogger não ter me deixado entrar esses últimos dias...

E nada tem um fim,
Nem um recomeço.
É somente um esboço
Na tela de um grande artista.

A fé fingida, a força forçada,
A paz inexistente.
Nada é como devia ser
Nada fica onde devia estar.

E o pesar das mentes cansadas
A busca sem fim das almas esquecidas
O sonho. E o riso se esvai.
Nada permanece e nem muda.

Só o existir que se encontra
O medo de falar, agir e pensar.
Nada é verdadeiro
Nem o riso, nem o choro e nem o olhar

Os personagens já vividos tomam forças,
Tomam cores, corpos e sons
Vivem mais do que seus interpretes
E existem, daí por diante, por si só.

Buscar o sentido inexistente
Existir sem saber o que é.
Viver além dos personagens
É o óbvio e o incômodo natural.

Câmbio Desligo.

domingo, 24 de abril de 2011

-A luta não tem fim.


Alô. Câmbio. Cambio.

Benvindos visitantes assíduos e perdidos pela internet!
Aqui vos fala novamente aquela que pouco se importa com quem é o deixa de ser.

Sentir a frieza entre as palavras,
A loucura entre os textos,
O ódio escondido nas entrelinhas,
A simplicidade da contradição.

Por que dificultar as coisas?
O pedido é simples e sincero.
O querer é verdadeiro
A superação aconteceu.

Só quero viver intensamente,
Buscar, correr e lutar pelo que eu quero.
Sair da mesmice e não me importar com o resto
Forte, único e real.

O sentimento da perda, se controla.
A dor que já sentiu, se iguala.
O medo nos torna forte.
A luta nos torna capaz.

O sorriso sincero faz falta,
O abraço acolhedor faz falta,
O olhar simples faz falta,
Mas não será algo que me impedirá!

A luta não tem fim,
A vida sempre é boa,
E os amigos estarão aqui. 
Sempre ao meu lado.

Câmbio Desligo.

domingo, 10 de abril de 2011

-Uma chance de realmente viver.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não!
Aqui vos fala aquela que não se importa com quem é ou deixa de ser no caos diário.

Aquela sensação passando pelos poros,
Aquele frio na barriga,
A espera, a busca, o querer e o pesar.
O cosmo conspirando a meu favor

Seu sorriso, a falta que faz
O abraço mais perfeito
A única coisa que me satisfaz,
Que retira a dor de meu peito.

Sonhar as coisas mais lindas
Viver a maior história de amor
Sair das linhas do pensamento
Sentir somente o teu calor

Esperar por um milagre,
Uma chance de realmente viver
Sonhar, mas além de tudo existir
O pensamento que me entrega a vida

Os olhos mais lindos,
A boca mais suave,
O cheiro mais doce,
A voz mais cativante.

Onde está você com o abraço que me acalma,
para onde você levou o resto da minha alma
Onde se encontra a razão para eu viver
Onde está você?

Câmbio desligo.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

-Eu quis ser assim.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos errantes das madrugadas e dias perdidos na internet!
Aqui vos fala novamente aquela que por ter se importado de mais um dia, não liga mais para nada.

Algo mudou dentro de mim.
As dores parecem tão pequenas
Tão sem sentido e tão mesquinhas.
Nada do que eu me importei parece ter valido a pena.

A constatação do erro,
A libertação de um fardo inutilizado
O sorriso simples e sincero estampado.
Correr sem rumo já não soa como errado.

Tentei por diversas vezes,
Cansei de lutar e buscar sem ajuda.
E hoje percebo que tudo passou.
Passou somente comigo, sozinha.

Aproveitar os sabores da vida
A simplicidade do tempo
A calmaria da alma
E a realização dos sonhos.

Eu quis um dia ser a luz do Sol
Tocar sua pele na tarde vazia
Guiar seus passos pelo caminho
Evitar os espinhos e provações do destino.

Eu quis um dia ser o brilho da Lua
Para participar dos seus sonhos
Velar suas noites
Acabar com os pesadelos e medos.

Eu quis um dia ser o ar,
Tornar-te vivo, único
Estar sempre ao seu lado
Fazer seu sangue pulsar.

Eu quis um dia ser sua.
Tanto quanto quis ser Sol quanto quis ser Lua.
Sou agora somente as lembranças
De uma doença que não tem cura.

Câmbio desligo.

sexta-feira, 18 de março de 2011

-Ser um perdedor como eu.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não.
Aqui vos fala novamente aquela que não se importa com quem é ou deixa de ser.

A emoção que sobe pela alma,
Atravessa a calma e a espinha dorsal.
O frio, o medo, a incerteza,
A vontade de tudo mudar e melhorar.

A raiva atrofiada dentro do peito,
O querer incrustado dentro da alma.
O sabor do veneno mortal
E a delícia do fim.

Todos os poros explodindo o sentimento,
Temperando o sabor do dia,
Querendo o intangível.
Sentir-se alguém especial.

Você quer ser um perdedor como eu.
Porque quem não perde aqui, não faz parte do show.
Sim, eu sei que você quer ser assim.
Ter a força para seguir em frente e continuar.

Entenda o quanto eu me importo com isso,
não passa de um grão de areia no deserto.
Não me afeta o seu falso querer,
Sua falta de atenção e sua falta de caráter.

Minha vida é o que importa,
Minha luta, minha busca e minha salvação.
No jogo sou eu quem dou as regras.
Se não gostar, saia do meu coração. 

Só quero me sentir viva,
Me sentir útil, me sentir real.
Sentir como se realmente valesse a pena.
Como se eu não fosse a perdedora no final.

Não me importo com seu maldizer, 
Sua falsidade e seu narcisismo.
Só quero que você saiba:
Todos os ganhadores começaram assim,
Sendo um perdedor como eu.

Câmbio Desligo.

sábado, 12 de março de 2011

-Lute mesmo se não tiver um porquê!


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos viajantes errantes do mundo virtual.
Essa sou eu em uma enxurrada de criatividade e inspiração!

Nem todas as montanhas são inacessíveis,
Nem todos os desafios são impossíveis, 
Nem todas as lutas são infundadas,
Nem todos os problemas são terminais.

Nada é exatamente ou extremamente ruim,
Tudo tem um lado melhor, não que seja bom,
Sempre se aprende com os erros, 
Ou simplesmente se deixa de errar assim.

Viver é muito tempo para rancores
E pouquíssimo tempo para deixar de ser feliz
Viver é simples,
Só basta querer!

A felicidade e a sorte não vão bater a sua porta,
A vida não é vendida de casa em casa.
Lute, saia, sorria!
Atraia a felicidade com seu charme e alegria!

Quem se faz como feliz, se torna feliz, 
Aja positivamente e deixe as coisas ruins de lado.
Afinal, elas vão sempre continuar ali.

Viva a vida intensamente!
Sinta prazer ao viver a vida!
Busque a felicidade, pois ela está ali.
É, bem ali, ao lado, isso...

Se quer ser feliz, alegre e sorridente
Torne-se alguém assim!
As coisas boas só acontecem para quem está preparado,
Quem dá a cara a tapa.

Enfrente a vida! Não é fácil...
Vai doer, vai machucar, vai deixar cicatrizes...
Mas no final, tudo vai ser INESQUECÍVEL!

Câmbio Desligo.

quarta-feira, 9 de março de 2011

-E só assim se chega ao fim.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não.
Aqui vos fala novamente aquela que não sabe e nem quer saber nada sobre quem é ou deixa de ser.

As águas passadas não movem moinhos,
Mas sem que elas passassem, 
Não haveria motivo do moinho existir...

As dores que passaram não devem doer mais,
Mas sem que tivéssemos nos machucado,
Não teríamos motivos pra levantar...

As alegrias do passado não devem influenciar o presente,
Mas se não fossemos felizes,
Não haveria motivo para buscar mais...

As lembranças deveriam ficar só na memória,
Mas sem a esperança de revivê-las,
Não existiria motivo para seguir em frente...

Tudo tem seu tempo e seu momento.
Mas acabar, não significa ser o fim.
Haverão outros moinhos, outras dores,
Outras alegrias e muitas outras lembranças...

Os personagens não serão os mesmos,
Ou até mesmo um dia serão.
Mas não quer dizer que o show termina,
Não quer dizer que o fim exista.

Porque o fim, não existe.
Se existisse o fim, não precisaríamos tanto do começo.
Pois o recomeço é o que chamamos de fim.
O fim não acaba, continua.

A vida é um ciclo sem fim,
De altos e baixos, sorrisos e tristezas,
Dores e alegrias, paixões e decepções...
Quando acaba o começo, acaba-se a vida.
E só assim se chega ao fim.

Câmbio Desligo.

terça-feira, 8 de março de 2011

-Aquele gosto amargo.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos viajantes e errantes da internet.
Depois de um grande hiato por aqui, resolvi me reerguer por entre a falta de inspiração
E reavivar as almas que por aqui passam.

Aquele gosto amargo da falta de pudor,
Aquele gosto arruinador de sonhos e sonhadores,
Aquele gosto insuportável da vergonha,
Aquela vontade inquestionável de você.

Seu olhar intimidador, profundo e obscuro
A vontade de abraçar para sempre
Aquele amor que nunca realmente existiu.

Amargo como a vida,
Como o medo, como a frustração
E por fim, amargo como o amor.

O amor que destrói as pessoas,
Que explode com os sonhos,
Que atravessa por cima das vontades
Que destrói até mesmo o mais são dos seres.

O deleite do delírio.
A vontade, o querer e a paixão.
Tudo aquilo que faz do céu um inferno
E do inferno a contradição.

Destruidor e construtor de lares,
Definhador de versos e poemas
Cosumador de almas pela estrada.

Um gosto supreendente,
Único, sádico e perturbado.
Um gosto que sempre queremos sentir de novo.
O sabor da carne.

Aquele gosto amargo da constatação...

Câmbio Desligo.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

-Dores e amores.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos e perdidos da internet.
Aqui vos fala novamente aquela que se perde sem saber quem é e não se importa com o que deixa de ser.

Dói a alma, falta calma
Sobra tempo e falta dinheiro.
Andar sozinho no caminho das pedras,
Torna as coisas mais difíceis e duradouras
Sendo elas dores ou sabores...

Sentir na pele os arrependimentos.
Falar mais que o necessário
Buscar além do que se pode ter
Passar adiante no querer
Buscar além da verdade.

Errar, errar e errar.
Somos humanos e suscetíveis 
Fracos e podres por dentro
Procurando um lugar ao Sol.

E o Sol brilha mais forte,
Queima, arde e machuca
Mas brilha e esquenta a quem pode um dia vencer.
Assim espero acontecer

Vencer na vida
Me tornar viva
Correr contra a corrente
E viver além das dores e dos amores
Sem se arrepender.

Câmbio Desligo. 

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

-Sonhos, almas e outras coisas.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes perdidos no meio cruel e crucial da internet!
Aqui vos fala novamente aquela que se perde entre o ser e o estar ao simplesmente sonhar!

O sonho de seguir em frente
É mais real a cada dia,
O passado vem a tona,
só para mostrar o porquê se seguiu em frente.

Vencer pelo cansaço, não é orgulho
Desistir não é uma opção.
Querer e sempre lutar é a única solução
Plausível ou não como uma simples canção.

O som do silêncio
O querer do coração
A luta para tentar recuperar
E a conclusão de que tudo não passou de ilusão.

Seus olhos me deixam tranquila,
Sua voz me leva aos céus.
Seu abraço me faz sentir segura.
Sua boca me traz o sabor dos deuses.

Não há distância que apague.
Não há amor que não dure.
Só há o querer eterno
Das almas que um dia se unem.

Câmbio Desligo.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

-Um bilhete curto.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não do blog onde nada importa, principalmente o mais importante.

O gosto de sangue escorre pelos lábios
A dor da apunhalada nas costas
A ferida que não cicatriza,
A estrada que não tem fim.

Dói a alma, dói a calma,
O tudo e o nada se desfaz.

Corro, choro, busco, sofro, encaro...
Me dê forças para lutar
Me mostre motivos para continuar.
A vida não tem mais tanto sentido.

A fraqueza do corpo,
A clareza da mente...

Falta o ar, falta a paz e falta o tempo.
A dor e o som ao relento.
A chuva que cai por cima
E arde a ferida anteriormente exposta.

O ultimo sopro, o pavor, o medo.
A noite impiedosa chega para ficar.

E fica. Para sempre.
Mexe, machuca e destroça
tudo o que quis e sonhou.
Tudo que um dia você amou.

Câmbio desligo.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

-Pra sempre assim continuar.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não.
Aqui volta a vos falar aquela que não se importa com que é ou deixa de ser.

Erros e mudanças,
Opções e opiniões.
Medo, mundo, sentimento.
Tudo agregado ao mesmo lugar e padrão.

Todos erramos, todos lutamos,
buscamos de alguma forma a perfeição.
Querer estar com alguém
E mesmo assim errar na proporção.

Lutar pelo felizes para sempre.
é a vontade eterna de cada um.
Ser feliz e mais nada.
Mesmo que sendo errado de alguma forma...

A vida é uma eterna mudança.
Pra sempre vai mudar.
Só queremos nunca errar o caminho 
E pra sempre assim continuar...

Câmbio Desligo.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

-Só na multidão.


Alô. Câmbio. Câmbio.

Benvindos visitantes assíduos ou não!
Aqui vos fala...ah, não importa quem sou mesmo!

Desistir não vale a pena.
Pena que explode pela pele.
Pele, poros, mente e coração.
Coração do mundo e do tempo.
Tempo de todos os povos.
Povos de toda a criação.

Criando os meios e os termos.
Termos de um contrato sem fim.
O fim dos tempos, do tudo e do nada.
Nada que se deva realmente temer.
Temer o mundo não é solução.

Solucionar a vida e os problemas,
Problemas infundados e inutilizados.
Inútil como você, como eu e a sociedade.
Sociedade fraca, suja e infiel.
Infiel até consigo mesma.

Mesma vontade, mesmo medo, mesma reação.
Reagir ao caos da mesmice.
Mesmice da rotina da escravidão.
Escravidão da alma e da vontade.
Vontade de estar só na multidão.

Câmbio Desligo.